13 de abr. de 2020

Monetizando o empoderamento

Eu me descobri feminista em 2014. Antes de 2013, eu nem sabia que existia essa palavra, descobri quando precisei fazer um trabalho sobre movimentos sociais e li sobre a marcha das vadias. Eu, no meu auge dos 17 anos, achei a marcha importante, mas cai nos estereótipos de feminista e julguei o movimento.

Em 2014, eu conheci pessoas, participei de conversas e descobri que era feminista e não sabia. Pra mim, Tayane, feminismo é apenas liberdade de escolha. É você ser livre para fazer o que quer e não fazer o que não quer, apenas. E quando você escolhe fazer ou não fazer algo, ninguém tem o direito de te questionar, assim como você também não tem o direito de interferir nas escolhas alheias.

Um tempo depois eu fui vendo sobre as vertentes do movimento e estava no meio de diálogos sobre, mas decidi "me afastar de tudo" quando vi que as pessoas ao redor lutavam por coisas pessoais ao invés de coisas pelo geral, além de segregar pessoas.
Junto com a popularização do feminismo (digo popularização, pois foi quando o assunto ficou em mais evidência), veio o empoderamento feminino, cultura de cuidados pessoais e a exploração capitalista em cima do tema.

Esses dias eu estava vendo uns sites e dai lá tinha dicas de produtos indispensáveis para o cuidado pessoal e que todo mundo deveria tentar para se sentir melhor e mais empoderada e na lista tinha produtos de mais de cem dólares e eu fiquei chocada. Depois disso eu fiquei refletindo sobre como estavam monetizando a cultura de empoderamento/feminismo e logo em seguida eu assisti um episódio de Shrill que falava exatamente sobre o tema.


Devemos estar ciente de uma coisa: FEMINISMO NÃO É SOBRE MUDAR SUA APARÊNCIA PARA SE ENCAIXAR, É FAZER VOCÊ AMAR E RESPEITAR SUA VERDADEIRA ESSÊNCIA. E na série, tinha um evento para empoderar empreendedoras com os ingressos custando trezentos dólares, maquiagem para as pernas e vibradores caros e que não eram confortáveis. Monetizaram o feminismo e fizeram nós mulheres voltarmos a hábitos antigos de precisar usar produtos como se fossem a solução de algum problema.

"Durante todo o dia eles conversaram sobre autocuidado, mas não é autocuidado concordar que você é feio e precisa ser consertado" Annie interpretada pela Aidy Bryant na série Shrill no episódio 6 da segunda temporada

Eu não julgo quem gosta de usar produtos para melhorar seu empoderamento ou algo do tipo, longe de mim, mas eu odeio o fato de alguém usar os produtos para mudar algo em si por causa de outras pessoas e não por querer dela. Independente de qualquer coisa, as pessoas devem fazer coisas por ela mesma e não para agradar os outros. Transformaram o feminismo em negócio, e tem muita gente disposta a pagar o preço.

Eu não acredito em empresas que se escoram em movimentos para poder vender seus produtos, e também não acredito em empresas que vendem seu peixe a custas de colocar mulheres em dúvida do seu próprio poder. Ninguém precisa de milhares produtos diferentes só para se sentir bem, cuidado pessoal vai muito além de cremes e massagem, é priorizar seus sentimentos e saber decidir se algo vale ou não a pena.

Eu não sei se tudo isso fez algum sentindo para você, mas precisamos tomar muito cuidado com ideias de algo que parece ser a solução para paz físico ou mental. Não é empoderamento se faz você se sentir mal.
Beijos

15 comentários:

  1. I like that...respecting your true essence. So well said!
    Hope you're doing well!

    www.fashionradi.com

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente hoje em dia, tem pessoas que veem possibilidade de fazer dinheiro em qualquer situação e essa não poderia ser diferente.
    Mas concordo com o que disse, temos que fazer as coisas por nós mesmas, não por conta dos outros.

    Beijo.
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  3. Um ótimo assunto a ser tratado e discutido.
    E caramba eu não havia pensando nisso, mas é real... querem ganhar dinheiro com o feminismo e fazendo tudo ao contrário.
    Muito boa sua reflexão sobre o tema Tayane.

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Bom infelizmente algumas empresas se apoiam apenas em movimentos pensando no lucro. Eu sempre prego que devemos fazer as escolhas por nós mesmas e não por uma imposição.
    Charme-se

    ResponderExcluir
  5. MDSS garota eu te amo!!!
    Estava ontem pensando em preparar um post com esse tema!!
    Sei que o capitalismo tem sua necessidade, mas é desumano empurrar produtos com uma falsa causa, somos lindas e não nos falta nada! Vou indicar seu post no meu hahshha pq é de muita utilidade publica, eu amei

    Até mais, abraços <3
    Deetz Blog

    ResponderExcluir
  6. Olá, Tay.
    Eu não tinha visto nada do tipo ainda mas acho o cumulo. Infelizmente o ser humano consegue surpreender, só que negativamente. Tem gente que usa de tudo para ganhar dinheiro. O feminismo é exatamente o contrário, é você não precisar de usar nada para ser suficiente. Você é e pronto.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Eu concordo com você e achei seu texto super pertinente. Eu também demorei para entender o feminismo e por muito tempo julguei o movimento, até me considerar feminista. Realmente, o movimento tem muitas vertentes o que acaba separando as pessoas ao invés de unir. Sobre a monetização, também vejo isso acontecendo, porém se formos ver tudo hoje é monetizado. No fim das contas a gente que tem que notar essas coisas e desviar.

    https://www.biigthais.com/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  8. Se as empresas percebem que algo dá dinheiro, fazem a gente acreditar que é em nome de empoderamento ou de qualquer outra coisa. Só querem dinheiro.
    Temos que fazer algo porque queremos e não porque alguém acredita que é melhor para nós.
    Beijinhos!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  9. Interesting post my dear, thank you for sharing ) 

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Gostei do texto e da reflexão, eu vejo o empoderamento como um autoconhecimento de si próprio sabendo e aceitando as limitações que cada um tem.
    Muitas empresas poderiam realmente focar um pouco mais no tema e auto cuidado não só na parte física mas, na parte psicológica também.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Não tem como fazer crítica, pois você deixa claro durante todo o texto que é a sua opinião.
    Só que para mim feminismo sempre vai ter o mesmo proposito que se iniciou , o direito as iguais e só. O resto para mim é balela.

    www.chovendo-risos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Ótimo pensamento, hoje em dia muitas marcas visam o dinheiro e vai pela onda do momento e algumas marcas já tem isso em sua raiz, é algo que devemos debater e discutir, pois não adianta nada vender a brusinha escrito feminista e usar mão de obra escrava para fazer ela;

    Beijos
    www.pimentadeacucar.com

    ResponderExcluir
  13. Eu tinha uma ideia totalmente diferente do feminismo. Mas quando entendi melhor, fez toda a diferença.♥ E eu entendo seu posicionamento sobre empresas que usam isso só para vender mais e tal. Mas é o que você falou se o empoderamento te faz mal, o melhor a fazer é buscar o que te faz bem. :)

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  14. É uma questão muito importante de ser abordada. Hoje as pessoas querem comprar produtos mais para aparecer e pelo status. Critico muito esse tipo de consumismo.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

DEARLY TAY
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL