31 de out. de 2019

Uma conversa sobre medos

Quando eu era pequena, eu tinha medo de morrer ou alguém da minha família morrer.  Eu era do tipo de criança que acreditava em todas as superstições e fazia de tudo para evitar trazer má sorte. Nunca pisei em risco do chão ou passei embaixo de escada, até cheguei a criar umas superstições que eu jurava que se me mantivesse longe delas ficaria tudo bem. Enquanto fui crescendo, os medos foram mudando. Ainda tenho medo de perder minha família, mas também tenho medo de nunca amar ninguém, medo de ter filhos, tenho medo de sair da minha cidade por mais que eu deseje muito isso. E esses dias eu descobri que tenho medo de sumir.

Não sumir do tipo que aparece como desaparecida no jornal e cartazes nos postes de luz. Eu tenho medo de deixar de ser eu e apenas coexistir entrando na mobília de casa e ficando invisível aos olhos dos outros e do meu.

Eu me olho no espelho e ainda sou externamente a mesma Tayane do ano passado e de sete anos atrás, mas por dentro, eu sou uma pessoa totalmente nova e o resultado do que vivi e isso me aterroriza. Eu não sei como serei amanhã ou daqui um mês e não ter controle de algo dá medo.

Eu conversei com algumas pessoas sobre isso, afinal, esse não podia ser um medo só meu, certo?! Sete bilhões de pessoas no mundo e eu sei que não sou tão especial para pensar ou sentir algo que ninguém nunca fez. E eu estava certa, eu pude conversar sobre o medo de mudança, de sumir, de se transformar em uma versão nem tão melhorada de si mesmo. Teve um conselho que fica martelando na minha cabeça, era algo como: ‘você pode entrar no rio no mesmo ponto todo dia, mas nunca se banhará na mesma água’, e isso agora fica repetindo e repetindo como uma mantra e de certa forma me ajudou.  

Eu irei e todo mundo ao meu redor iremos mudar e isso será ruim necessariamente. A gente vai sempre achar um jeitinho de se adaptar e continuar apenas sendo. E eu quero acreditar que pelo menos alguém ainda continuará me enxergando, mesmo que seja alguém que não está na minha vida nesse momento, pois é essa a grande ironia da vida, sempre vai chegar alguém novo e reconhecer essa sua nova versão.

Troque suas folhas, suas águas, suas pedras e sempre lembre que você tem uma raiz que nunca te deixará.

Qual o seu medo e como você encara suas mudanças?
Beijos

13 comentários:

  1. O medo das mudanças é super normal, não sabemos o que nos espera. Mas focar no agora e fazer o nosso melhor nos da mais coragem do que virá
    Charme-se

    ResponderExcluir
  2. Eu não gosto/tenho medo de mudanças, mas como você disse, temos que trocar nossas águas e folhas, para que possamos florescer.
    Esse conselho que recebeu sobre o rio achei bem interessante.

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  3. Minha professora disse que a gente muda todos os dias, ninguém volta pra casa da mesma maneira que saiu.
    Podemos viver as mesmas situações, mas nós nunca seremos os mesmos.
    Eu tenho muito medo de mudanças, do futuro... é algo que me perturba muitas vezes, mas é importante viver o agora, focar no que temos.

    https://www.heyimwiththeband.com.br

    ResponderExcluir
  4. Medo é uma coisa estranha. Mas o meu maior medo e de não viver de verdade sabe. Só existir e no fim da minha vida ter a sensação de que perdi tempo. Mas acho que tudo isso são coisas que podem ser trabalhadas, e talvez até dispersado depois de um tempo.
    Abraços,
    Ava
    https://apenasava.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que as mudanças fazem parte das nossas vidas. Mesmo as pequenas mudanças, aquelas que não nos damos conta no dia a dia, nos impulsionam para (idealmente) nos tornarmos pessoas melhores. Eu gosto de mudanças ~ mas sempre para melhor! :)

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho medo de tanta coisa, apesar de não ficar pensando muito nos medos (se não me bate a ansiedade). Tenho medo de nunca amar alguém, medo de fazer intercâmbio, medo de ter filho, medo de sofrer um acidente e ter que ficar internada, medo de altura, medo de ficar presa no elevador, e com certeza mais um monte de coisas.

    ResponderExcluir
  7. Mudanças assustam,mais é importante focarmos nos nossos objetivos e sonhos,e fazermos sempre o melhor como foi citado nos comentários acima.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Acredito que o medo é algo necessário em nossas vidas. Texto reflexivo. Parabéns.
    Bom fim de semana!

    Até mais, Emerson Garcia

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    ResponderExcluir
  9. Eu acho que ter medo é porque somo pessoas responsáveis só um irresponsável não sente medo!
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderExcluir
  10. Olá, Tay.
    Eu nunca fui supersticiosa, mas sempre tive medo da solidão. Mas entendo esse seu medo mais recente, de uma certa forma ele se encaixa no meu medo hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Nooossa Tay, eu mesma poderia ter escrito esse texto, haha. Eu tenho pensado muito nisso, e o gatilho foi ter lido uma legenda no Instagram que falava sobre "zona de conforto" e o medo de sair dela. Por coincidência obtive uma oportunidade que me faz sair completamente da minha zona, mas eu quero me desafiar e se for pra mudar, que seja uma versão melhor de mim mesma.
    Enfim, amei seu post <3
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  12. Na infancia, eu tambem tinha esses medos.

    http://juliamodelodemodelo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi
    gostei do texto, eu tenho muito medo de pegar estrada, sempre que preciso viajar fico ansiosa, o ano passado ia em um evento de administração, porém tive uma crise de ansiedade por conta da viajem e isso me prejudicou, que acabei nem indo.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir

DEARLY TAY
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL